fbpx

Química

Sabe o que é o “elixir da longa vida”? É a busca milenar de muitos químicos.
Ok, é provável que esse elixir não surja nesse Laboratório de Química, porém quantas vidas podem ser prolongadas em conhecimentos do estudo prático das matérias e suas transformações?

Como pode ser mais significativo o aprender por meio das emoções testemunhadas pelos próprios sentidos ali nos tubos de ensaio? Ou verificar de modo empírico as Propriedades da Matéria? Descobrir que a proveta e a pipeta podem até combinar, mas jamais se misturar! E até vislumbrar diante dos olhos a enciclopédia de informações que sintetiza a Tabela Periódica ou mesmo se lembrar dela por meio acrósticas histórias como:

“H – oje
Li
Na
K – ama
Rb – Robinson
Cs – Crusoé
Fr – ancês”

Entender como elementos químicos possuem famílias e que laços os unem…

Está achando muito louco? Não se preocupe: aqui vamos despertar o químico de que todo mundo tem um pouco!

Física

“Se eu vi mais longe, foi por estar sobre ombros de gigantes.”
-Isaac Newton

Para frequentar o Laboratório de Física, é necessário respeitar estritamente apenas uma lei: Nada de inércia na hora de estudar! Afinal, a possibilidade dos alunos colocarem a “mão na massa”, multiplicada pela “aceleração do aprender”, gerada pela aliança entre teórico e experimental, resulta no produto “força de vontade” no momento de vislumbrar as relações entre matéria e energia. Quase é possível quantificar as palavras!
Além disso, nessa era mecânica, em que predomina mais o movimento do que o repouso, existe melhor trajetória em rumo ao aprendizado, senão as metodologias científicas que incorporam a Física? As equações matemáticas, sob a bancada, são capazes de magnetizar cada aluno. Isso é garantido!

Mesmo aqueles que não tem tanta facilidade com números, relaxem, sejam bem-vindos! No Laboratório de Física, como em um prisma, à luz das pesquisas dos grandes mestres, entre experimentações e cálculos, o aprender refrata-se em cores.

Biologia

Muito além de simples “estudo da vida”! Isso mesmo…O conhecimento, metamorfose constante, respira e transpira ao plantar suas sementes em cada estudante.
Vestir o jaleco permite: Descobrir mais sobre os insetos, interligar desde o menor nível molecular, até as relações entre as maravilhosas espécies. É despertado o que há de mais mitocondrial, no entanto, imaterial: o saber. Desse jeito, anatomia quase se transforma em poesia!
A bancada instiga a hereditariedade por meio da praticabilidade, no Laboratório de Biologia despertam-se novos Mendels. Aqui, entre lâminas e pipetas, meiose e mitose se equilibram em difusão, é até possível ficar cara a cara com a Evolução!
Nesse sentido, caracterizando os nichos ecológicos, assim como o funcionamento dos organismos, são evitados os anacronismos. Nos estudantes, dentro e fora de seus átrios e ventrículos, é bombeado o empírico.

Linguagens

“Gosto de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar”.
– Caetano Veloso

Não, não é para aprender a ler ou escrever! O verbal e o não-verbal, puff!, se fundem em cores e rimas, escritores e poetisas, sentados à mesa, acomodados em pufes, ou de olhar pra cima: o pensamento voa, enquanto a caneta ecoa o que o coração palpita.

A Sala Linguagens instiga sentir a língua em todas as suas facetas, faz a experiência da linguagem como cada povo do planeta. E como cometas os alunos podem ler ou falar sem ter como voltar, afinal “desver”; ou “desfalar”; não é possível nem com caneta! Mas só na hora de sair da sala, a linguagem solta uma careta!

Assim, versando e divertindo no papel, na tela e na imaginação cada estudante constrói essa faculdade da razão que é o poder da comunicação!

Matemática

Estatísticas aplicadas à vivência nesse ambiente apontam: passar por aqui contribui muito para uma positiva matemática financeira no futuro dos alunos!

Para alguns parece mágica, para outros é só prática, no mundo da linguagem da máquina, só deixando fluir a Matemática! No entanto, a Sala Matemática vai muito além da sequência de zeros e uns, mesmo porque não há outra linguagem mais universal que a tal matemática – que nos perdoem os linguistas!

Como não notar a poesia de um triângulo retângulo, esse triângulo amoroso entre dois catetos e a hipotenusa? Ou mesmo a álgebra que adora se dissimular em letras, variáveis e incógnitas, e ainda assim equacionar tudo? Pois quando a Teoria dos Conjuntos dos alunos de cada turma encontra a Teoria dos Números, o mínimo múltiplo comum absorve teoremas, axiomas e, de repente, até com aritmética lucra-se um poema!

Ciências

Qual outra característica é mais natural no ser humano, senão a capacidade de questionar, observar, pesquisar e registrar os fascínios do mundo que o cerca?
Sentados nas mesas em roda, fica muito mais fácil compreender a Terra por dentro e por fora! É simples destacar que a cadeia alimentar faz parte de um grande equilíbrio e que são cruciais as ligações entre fauna e flora! Mas qual é a conexão entre placa tectônica e vulcão? Como não confundir fusão e ebulição? Na Sala Ciências as respostas vão se moldar, transparentes como o ar.
Os recursos naturais, apesar de abundantes, podem se esgotar, por isso é necessário reciclar! A vegetação do nosso planeta, como em uma ampulheta, no futuro pode acabar, assim é preciso o solo preservar! Na Sala Ciências, não somente as peculiaridades do universo e os sistemas do corpo humano é possível pesquisar, porém por meio dos saberes científicos a cidadania exercitar. Afinal, nada cria maior euforia nos estudantes, do que desvendar os mistérios da natureza como um cientista!